foto

Gritos e pancadaria marcam audiência que discute privatização da Eletrobras

Público quebrou grades, fez apitaços e jogou bolinhas de papel no palco; Rua Cônego Machado foi interditada

 Por Larissa Bastos e Jobison Barros  

Grade é arrancada por manifestantes durante audiência na Esmal

FOTO: LARISSA BASTOS

O auditório da Escola Superior de Magistratura de Alagoas (Esmal), no bairro do Farol, virou palco de uma confusão generalizada que acabou em pancadaria na manhã desta terça-feira (6). O tumulto se deu antes mesmo da audiência pública que discute a privatização da Eletrobras Distribuição Alagoas. Apesar do calor das emoções, a audiência aconteceu e foi concluída, segundo os organizadores.

Logo no início da manhã, a reportagem da TV Gazeta foi até o local e constatou o forte aparato policial montado para garantir a segurança das pessoas que iriam participar da audiência. O trânsito na Rua Cônego Machado foi congestionado em virtude da interdição na rua que dá acesso à unidade de ensino.

Manifestantes seguram faixas em protesto contra a privatização

FOTO: LARISSA BASTOS

Apesar da operação montada, o público que compareceu à audiência não poupou esforços para mostrar revolta em meio à possível privatização da concessionária de energia elétrica em Alagoas. AGazetaweb presenciou a situação.

Bastante intenso, o protesto começou na Cônego Machado, onde trabalhadores, líderes sindicais, estudantes e outros membros da sociedade civil seguram faixas, fazem apitaços e gritos de ordem.

Nas dependências do auditório, o cenário é ainda pior: a grade que foi colocada para impedir o público de chegar ao palco foi arrancada. Além disso, gritaria, empurra-empurra e bolinhas de papel, copos e sapatos sendo jogados em direção ao palco, onde estão os representantes do governo federal, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDEs) e da Eletrobras.

Apesar do protesto, a audiência teve início com a tentativa de se discutir o assunto em pauta. Inclusive, os manifestantes foram informados de que o evento poderia ocorrer sem a participação do público.

Em meio à confusão, os trabalhadores e líderes sindicais desistiram de se pronunciar e combinam fazer um movimento do lado de fora da Esmal.

Audiência sobre a privatização da Eletrobras é marcada por confusão e tumulto

Imagens: Larissa Bastos

O representante do Sindicato dos Urbanitários de Alagoas, José Cícero, lamentou a presença do grande aparato de segurança antes e durante a audiência. “Pegaram o efetivo do estado para tratar o trabalhador com truculência e isto é inadmissível em um ambiente de democracia”, afirmou.

Lidiane Gonçalves estava na audiência em nome do BNDES. Ela confirmou que, apesar do tumulto, “a conversa com a sociedade aconteceu”. “Faz parte do processo de desestatização a discussão com a sociedade e isto efetivamente aconteceu”, avalia.

Confusão marca audiência sobre a privatização da Eletrobras

Imagens: Larissa Bastos

Já o representante do Ministério de Minas e Energia, Ricardo Brandão, informou que a intenção do governo federal era apresentar as informações do processo de privatização e o objetivo, segundo ele, foi concretizado.

“Infelizmente, isto aconteceu com um grande tumulto, mas conseguimos vencer os ritos do processo e a audiência aconteceu com sucesso”, comentou.

1 / 7
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA